sábado, 3 de setembro de 2011

Sem foto

Foto de diamante desconpassado, loucamente enfeitado por adereços inesprecivos de emoçoes incorentes forçadas a um extase inconscist.ente proposto pela invubilidade de algo qlneraue nao é o que pelo que seria e tornaria ser.


de fato que o hoje nao seria o amanha par ontem de algum dia. O dia hoje pressuposto esta fadado a limitaçoes.

hoje seria o tempo de agir , deorganizar desejos e medos.

simplismente hoje seria a hora de fazer o que achar certo e o que julgar necessario. Tempo de começar para terminar.

saudades do passado,amor pelo presenre e odio de pelo futuro.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Amor = Coração




Sentimento não racional, mas totalmente racional.
Emoção forte, que ataca seu peito sem medo e sem piedade.
Sim, seu peito. você pode até pensar com o cérebro, mas quem sente é o seu coração.

quem quase sai pela garganta quando ver seu amor chegar?
quem ensaia parar quando ele vai embora?
quem diz que valeu pelas emoções vidas ao lado dele?

Coração.

Sangramos-lo por amores acabados.
Afogamos-lo em lágrimas de ilusão.
Mas queimamos-lo de paixão.

terça-feira, 31 de maio de 2011

Solicito poesia




Venho por meio deste solicitar poesia
Não que o mundo precise
Mas a vida clama

Trago comigo um amargo texto
Linhas putrefadas de um poema já morto

Me alegro com aquele grito
O horror no seu rosto me deixa feliz
Gosto da singela sinceridade em você

Assim fica exposta a revolta de alguém não fútil
Não acabem com a poesia de suas vidas.

terça-feira, 26 de abril de 2011

Festa do sossego




Quem não gosta de festa? Quem não gosta de sossego?

Festa para celebrar um encontro

Sossego para manter conserva o encontro

Festa para conhecer alguém

Sossego para conhecer alguém

Festa para cometer loucuras

Sossego para entender essas loucuras

Festa que não sai da lembrança

Sossego que vira fato, ao transformar a lembrança em uma nova realidade.

Festa, passado, sossego, presente, mas alguém sabe o futuro?

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Sem chances




Lanço-me ao teu mar
Mar de amor, mar de amar

Mas não sinto mais meu corpo
Corpo que paralisa ao te ver, ao te sentir

Afogo toda a saudade em lagrimas
Lagrimas que caem em teu corpo d’água

Por que sua maré é tão calma agora?
Agora não te tenho mais. Você se tornou muito pra mim

Lagrimas são água, você também é água
Água volúvel, tempestuosa...

... Um mar revolto, sem chances de navegar.

Palavras soltas (parte 4)




Palavras, porque atira-las no ar?

Por que o medo de falar toma teu corpo? Tua voz?

Palavras, sinto saudade de quando me alegravas

Sinto vontade de arrancá-las de você

De teu peito

Olhe a janela, até o vento ao bater na cortina, fala com você

Vá até ela e sinta a emoção que nenhuma palavra pode descrever

Há de permanecer vivo

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Um triste fim




Oi, vamos conversar
Tenho uma coisa pra dizer
Só sinto que não vai gostar
Mas é o certo a se fazer

Quando foi que tudo mudou
Onde foi que te perdi
Sei que nosso amor já acabou
E juro que nem percebi

Agora o que me resta é confirmar
Chegamos a um triste fim

Agora o que me resta é esperar
Um melhor recomeço pra mim

quarta-feira, 20 de abril de 2011

O tédio de relaxar




Tire o dia pra relaxar, disse ele
Curta a paz do feriado, disse ela
Relaxar sem fazer nada
Nada, nada, NADAA
Não dá não, encontrei um amigo
Ele é chato pra caramba e todos o conhecem
Mas ele gosta de mim, faze o que?
Ahh!! O nome dele é TÉDIO.

domingo, 17 de abril de 2011

Fotos, fatos e acaso




Fotos e porta retratos
Fotos que você não gosta de lembrar
Fotos do nosso passado
Fotos e fatos

Fatos que viraram marcos
Fatos anunciaram a derrota
Fatos te deram uma falsa vitória
Fatos e acaso

Acaso você soube que havia mais um
Acaso que me trouxe você
Acaso mostra que as fotos são fatos
Mas somente por acaso nosso amor germinou

terça-feira, 5 de abril de 2011

Cartas de um condenado (parte 4)


"O que liga uma foto feliz a outra, são os problemas e os mals momentos" (Autor desconhecido).


Vivo pela criatividade da emoção espontânea.
Apelo por motim.

Guerras e intrigas coexistentes em um coração vago e chagado de depressão.
Apelo por motim.

Não gosto de brincar de esquecer, pois as lembranças fazem o amanhã.
Apelo por mais uma dose de flagelação ardente.

Amanha tudo isso será passado, e seu sorriso estará comigo.
Ao meu lado, na nossa cama.

domingo, 3 de abril de 2011

Sinta, Ouça, Haja




Sinta...
O que pulsa em você é vontade de se libertar.
Fugir dessa prisão imaginaria de gritos e sussurros, paredes de vidro e chão de pregos.
Ouça...
O som dos gritos que clamam por atenção, e são reprimidos por lágrimas de medo.
Seu coração só possui uma música, que traz uma única nota, “Dó”.
Haja...
Faça com que o hoje não acabe, e se acabar, que seja lembrado como invejável.
Transforme a sua vida em uma jornada ao fim do universo, onde o inexplicável pode acontecer, onde ser feliz é possível.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Ei !



Ei! Não se vá

Ainda tenho muito para mostrar

Ainda tenho tempo para gastar

Ei! Volte aqui e me faz carinho

Finja que sou seu

Finja que me ama mais um pouco

Ei! Por que seu amor é tão caro?

Me ensina a te fazer bem

Me mostra o mundo aos teus olhos

Ei! não me deixe só

Não me deixe...

... só

sábado, 19 de fevereiro de 2011

Cartas de um condenado (parte 3)




Viva ao momento em que te perdi

Mas agora corra, corra e corra

Preciso me afasta de você

Preciso tirar você de mim

Alguém me dá um pé de cabra

Preciso arrancar esse amor do meu peito

Entrei num bar, só para tomar algumas doses de lamentação e com muita tristeza

Agora, quem corre sou eu

Corro para recuperar minha vida

Vi o mundo quebrar na minha frente

Agora só posso correr atrás de algo que nem sei se realmente me merece

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Dê-me o último beijo



Nossa relação termina ríspida, obscena e crua
Sinto um furacão destruindo meu coração
Grito para espantar as trevas que continuam a me rodear
Dê-me o último beijo, e acabe logo com isso
Choro de dor, choro por não saber o que fazer com os restos que sobrou de mim
Tua língua percorre meu corpo com prazer, mas como uma lâmina, me mutila por medo
Medo de se entregar a um sentimento inefável

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Ouça ♪





Ouça... Esse som não é de um tambor, é meu coração.
Vem, anda logo, te vejo ao longe e meu tambor quase quebra.
Não adianta, teu beijo é musica lírica com um toque de heavy metal.
Agora nada importa, basta você tocar minha pele sussurrando nossa música.
E vejo que me apaixonei por um anjo.

Ah, antes de qualquer coisa...

... Casa comigo?

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Palavras soltas (parte 3)




O mar é imenso por amar
uma certa peixinha
que por ele vaga sem pensar

amar é fazer o outro viver feliz

sorte da peixinha
que tem o mar para nadar
pois sem mar, nada de peixinha
nada de amar.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Cartas de um condenado (parte 2)




A saudade já bate no peito desengonçado de um pobre coitado, que ali estava sentado, quieto, moribundo a suspirar para a lua.
O silencio do céu me impõe medo, porque a luz de um raio é tão bonita, mas causa tanto estrago?
Saudade, silêncio, e agora vago, vago pelos caminhos escuros de meu próprio coração. Não há labirinto, só um túnel, sem começo ou fim, simplesmente um túnel, sem luz.


"O homem deve lutar pelo que quer, mas nao se deve lutar quando nao há inimigos"

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Palavras soltas (parte 2)




Estranho me esquivar tanto de algo tão bom
Porque não te encaro facilmente?
Deve ser pelo seu olhar misterioso, que rasga meu peito me deixando nu

Não posso deixar de escutar aquela voz arrepiando não só minha pele, mas meu coração.
Outra forma não há para saber o que aconteceu comigo, a não ser colocando meu coração e vendo qual é o reflexo que nele aparece

Não vou “me” acompanhar
Vou só falar frases feitas em Frances ao vento
Sentado na esquina de um lugar qualquer
Mas sempre a ver o brilho da lua

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Lembra




Lembra quando éramos dois, e viramos um.
Lembra quando esse um formou mais um.
Lembra quando o um se fez nosso.
Lembra quando nosso um falou de nos dois.
Lembra quando o um pediu pra ser dois.
Lembra quando nos dois, que éramos um, ficamos sendo três, e hoje somos muitos.
Lembra o quanto te amo.

Cartas de um condenado (parte 1)




Drogas, velocidade, álcool, mutilação exacerbada de um ser desprezível e inocente. Incoerente individuo que julga sem pensar, verdadeiro amigo por ousar falar. Mistério em ritmo frenético, de uma dança esquisita, porém popular.

Ouça a melodia de sua própria morte. Que musica ela carrega? É triste? É feliz?

Será, seria, foi um bom dia. Foi um péssimo dia. Porque não vem e me mostra porque veio ao mundo. Louco irritante, miserável odor de falta, sinta em minhas mãos o sombrio calor de quem teme algo que possa ser inevitável.

Como vai sua ânsia de vômito?

domingo, 23 de janeiro de 2011

Seduzido pelos olhos


Ei você! Mulher misteriosa, que toma conta de meus instintos, que me procura e depois vai embora.
Nada é por engano, simplesmente acontece por motivos inexplicáveis, trazendo sensações boas e ruins.
Seu toque pode me paralisar, me causando sofreguidão e paixão, templo de toda minha perversão, vem me induzir ao erro, vem trazer a tentação de possuí-la. Sinto-me invadindo um templo sagrado, e sendo marcado por uma maldição, maldição a qual terei que te servi para sempre. Terei que te fazer feliz.
Fui dormi pensando na melhor forma de descrever a emoção que senti, ao ver teu corpo estonteante, a se expor aos meus olhos mortais. Fazendo meu corpo tremer em um prazer absoluto. Chegando a te sentir por um breve momento, me tocando, me beijando, fazendo-me suar, me transformando em seu em apenas um olhar.

sábado, 22 de janeiro de 2011

Escrita de um completo apaixonado (parte 1)


Você sabe me deixar louco
Toda vez que te vejo meu corpo treme
Seus olhos me cegam como um forte raio platinado
O brilho da lua se torna pouco perante o seu
Lábios que me fazem viajar num sonho perfeito

Porque esse sentimento é tão estranho?
Porque essa emoção é tão boa?
Porque você não casa comigo?

Cada dia seria mágico, cheio de canções, cheio de carinho, cheio de amor.

Hoje te peço em casamento, amanha quero que você me namore, e depois quero pedir sua mão para enfim noivarmos.
Pois o bom de não seguir ordem, é que podemos fazer tudo de novo e repetir de outra forma, transformando todos os dias em um lindo poema de amor.

Hoje, amo você porque quero; amo você porque não resisto; amo você porque gosto e simplesmente amo você porque do seu lado sei que posso ser feliz.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Palavras soltas (parte 1)


Sinto minha voz se esvaecer no ar
Chamo-te, mas não consigo te encontrar
Busco a verdadeira felicidade
Onde nesta minha humilde visão
Não haverá tanta falsidade
Somente decepção

Falo ao vento para acabar com isso, ilusão, que já não me interessa mais. Rimas que não resolvem meus problemas e não servem ao menos para me envaidecer.
O vento volta, e me responde com seu sopro singelo e tênue, “não te deixes enganar, a mais na vida do que só ganhar”.